Volta ao passado

Soam anacrônicos os pedidos do governo federal para que Estados e capitais –como São Paulo e Rio– segurem os aumentos nas tarifas de ônibus, trens e metrô. Teme-se que a concentração de reajustes no início do ano eleve as expectativas de inflação.

A inovação –a rigor, um retorno ao modus operandi dos anos 80, quando o governo tentava manipular os índices– visa evitar uma alta ainda maior no IPCA do primeiro trimestre. Adiar o problema é, pois, a estratégia do dia. A novela do aumento do preço da gasolina segue o mesmo enredo.

Maquiagens à parte, o fato é que o Banco Central e o governo têm atiçado o dragão inflacionário.

Com o pretexto de que outros países adotaram uma política monetária expansiva para superar a estagnação, nossas autoridades parecem se esquecer que na maior parte deles a inflação é baixa.

Nos EUA e na Europa os índices correm abaixo das metas, em geral de 2% ao ano. Na China se espera uma alta inferior a 4% em 2013.

No Brasil, contudo, há um dilema: crescimento baixo e inflação alta, perigosamente perto de 6,5% –teto superior do intervalo de tolerância– na maior parte deste ano.

O BC esteve certo em dar mais peso à fraqueza do crescimento quando iniciou o ciclo de cortes de juros em agosto de 2011, mas de lá para cá não parece se preocupar –nem passar a impressão de que se preocupa– com a piora do quadro inflacionário.

O perigo maior de descontrole existe quando o setor privado não acredita mais no compromisso com as metas. Tal deterioração tende a ser lenta no início, mas pode ganhar vida própria rapidamente.

O cenário é preocupante. As expectativas de analistas privados para 2013 superam 5,5%, e os papéis indexados ao IPCA são negociados com inflação perto de 6%. Economistas de vários matizes admitem que o BC já não persegue a meta de 4,5%, mas cerca de 5,5%.

Talvez o teto de 6,5% ainda seja uma restrição para a leniência –politicamente, seria custoso para a presidente Dilma Rousseff explicar o estouro do limite superior. Mas quem pode ter hoje essa certeza?

O problema inflacionário é grave, pois a indexação generalizada persiste e nada foi feito nos últimos anos para mudar esse quadro. Talvez seja cedo para dizer que as metas foram abandonadas, mas as autoridades caminham a passos largos para consolidar essa suspeita.

Fonte: Editorial: Volta ao passado – http://www1.folha.uol.com.br/opiniao/1216557-editorial-volta-ao-passado.shtml

Voltar…

Anúncios

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s