Como ser proativo

por Steve Pavlina

“Seja proativo” é o primeiro hábito do livro de Stephen Covey, The 7 Habits of Highly Effective People (Os 7 Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes). Ser proativo significa assumir o controle consciente de sua vida, definir objetivos e trabalhar para conquistá-los. Ao invés de reagir aos acontecimentos e esperar por oportunidades, você vai lá e cria seus próprios acontecimentos e suas próprias oportunidades.

Ser proativo significa que, ao invés de reagir aos acontecimentos à medida que eles acontecem, você conscientemente administra seus próprios acontecimentos. A maioria das pessoas pensa de maneira reativa. E não tem problema em reagir a certos acontecimentos. Mas isso se torna um problema quando isso é tudo que há na vida de uma pessoa – nada mais do que reações instintivas a estímulos.

Stephen Covey aponta um lapso entre estímulos e respostas e é nesse lapso que está o potencial que permite que escolhamos nossas respostas. Quatro dotes humanos especiais nos dão esse poder:

1. Autoconsciência – a compreensão de que você tem uma escolha a fazer entre o estímulo e a resposta. Se alguém o insulta, você pode escolher não se zangar. Se alguém lhe oferece um biscoito, você pode optar por não comê-lo.

2. Autoconhecimento – a habilidade de consultar seu “eu” interior para decidir o que é certo para você. Você pode tomar decisões baseado em seus princípios imutáveis, independentemente do que é socialmente melhor no momento.

3. Imaginação criativa – a habilidade de visualizar respostas alternativas. Ao usar sua imaginação, você pode gerar e avaliar diferentes opções mentalmente.

4. Livre arbítrio – você tem a liberdade para escolher sua resposta particular. Você não é obrigado a corresponder ao que os outros esperam de você.

A falta de proatividade frequentemente pode ser causada pela fraqueza em um desses quatro dotes humanos. Talvez você esteja estagnado em um estado de consciência inferior e nunca consiga atingir o nível de consciência necessário para tomar decisões proativas em sua vida. Talvez sua consciência tenha sido confundida pelas condições sociais e você sequer saiba o que quer da vida; quando você não sabe o que fazer, você busca ajuda para que os outros decidam como você deveria se sentir. Talvez você não esteja parando para visualizar as alternativas. Ou talvez seu livre arbítrio esteja sendo restringido pela pressão de corresponder às expectativas alheias.

Pode-se discutir que, em algum nível, estamos sempre reagindo a acontecimentos, sejam externos ou internos. A diferença entre a proatividade e a reatividade pode, então, ser vista no sentido de qual nível de “processamento mental” ocorre durante o lapso entre o estímulo e a resposta. Uma pessoa proativa aplicaria todos os quatro dotes humanos para escolher uma resposta (ou escolher simplesmente não responder). Mas mais que isso, uma pessoa proativa investe seu tempo em tomar decisões de vida conscientes e ater-se a elas até o fim.

Pessoas reativas tendem a perder contato com seus valores pessoais. Ao invés de viverem suas vidas baseadas nesses valores imutáveis, elas pegam valores temporários dos outros ao seu redor. Se nenhuma oportunidade especial aparecer ao longo do caminho, elas vão permanecer no mesmo emprego por muitos e muitos anos, enquanto ele for “meio” satisfatório. Elas se deixam levar pelas pessoas e pelas circunstâncias que as rodeiam, mas não direcionam esse fluxo. Suas vidas estão muito fora de seu controle consciente; elas tendem a apenas usar de seus dotes humanos quando realmente precisam, como quando são demitidas repentinamente (e mesmo então, frequentemente usam muito pouco). Mas quando as coisas estão bem, a vida permanece a maior parte do tempo em piloto automático.

Pessoas proativas, por outro lado, são cientes de seus valores. Elas tomam decisões importantes conscientemente, baseadas nesses valores. Elas criam suas próprias oportunidades e direcionam o fluxo de suas próprias vidas. Mesmo quando as coisas estão bem, elas ainda assim tomam decisões conscientes. Às vezes, isso significa manter o status quo, ao passo que, outras vezes, significa mudar de direção. Às vezes seus valores vão se alinhar bem com aquilo que é socialmente popular; outras vezes, não vão. Pessoas proativas frequentemente tomam atitudes que parecem estranhas para pessoas reativas. Elas podem pedir demissão de repente e abrir um novo negócio, mesmo quando tudo parece estar indo bem para elas. Elas começam novos projetos e atividades “do nada” com frequência, mesmo quando parece não haver uma motivação externa para fazê-lo. Pessoas proativa ainda prestam atenção nos acontecimentos externos, mas vão se autoguiar ao destino que desejam, independentemente desses acontecimentos.

Se uma pessoa reativa fosse capitã de um navio, o navio seguiria a correnteza. Essa pessoa se preocuparia em estudar as correntezas, tentando prever onde o navio vai parar por conta delas. Se as correntezas forem boas, a pessoa ficará feliz. Se forem ruins, ela ficará estressada. No caso de essa pessoa tentar definir um destino e as correntezas serem boas, o navio vai chegar lá. Mas se forem ruins, ela vai reclamar e trocar aquele destino por um mais fácil.

Se uma pessoa proativa fosse capitã de um navio, entretanto, o navio iria onde quer que ela quisesse que ele fosse. Esse capitão prestaria atenção, sim, nas correntezas, mas elas seriam usadas meramente com propósitos de navegação. Às vezes, o navio seguiria o fluxo da águas; outras vezes, iria contra a correnteza. Não importa muito se a correnteza é contra ou a favor; esse capitão vai chegar ao destino final, independentemente disso. As correntezas só podem controlar o tempo de chegada e o caminho traçado do ponto de partida ao ponto de chegada, mas não têm o poder de ditar o destino final; essa é uma escolha 100% do capitão.

Alguns exemplos de linguagem reativa (proativa):

• Para onde essa empresa está indo? (Para onde eu devo ir e como vou chegar lá?);

• Não tenho tempo para fazer exercícios. (Como conseguirei tempo para fazer exercícios?);

• Quanto dinheiro vou ganhar se fizer X? (Quando dinheiro quero ganhar e o que vou fazer para ganhá-lo?);

• Vou tentar para ver o que acontece. (Vou fazer.);

• Estou cansado demais. (O que posso fazer para ter mais energia?);

• Nunca serei bom em matemática. (Como posso melhorar meus conhecimentos em matemática e curtir o processo?);

• Nada me inspira de verdade. (A que eu me apegaria se soubesse que não posso falhar?);

• Qual o sentido da vida? (Qual sentido quero dar à minha vida?).

Ter a aprovação alheia é outra grande preocupação das pessoas reativas. Elas geralmente querem ter um emprego “estável” em uma “boa” empresa e se veem à mercê das condições do mercado. Se conseguem abrir um negócio próprio, é porque elas conhecem várias outras pessoas que já estão fazendo a mesma coisa e querem se juntar ao time. Elas querem saber que produtos e serviços parecem estar vendendo bem para poderem fazer algo semelhante. Se falharem, é porque o mercado não está tão bom, ou tem muita concorrência, ou por causa de um outro fator externo relacionado à sorte.

Você acha que tudo que acontece “por aí” vai determinar quão bem sucedido você será em seus empreendimentos? Não se você for proativo. Se você for proativo, eventos externos só podem afetar o tempo que você vai levar para chegar lá e o caminho exato que você vai percorrer para atingir seu objetivo. Mas eles não podem ditar seu objetivo para você. Pessoas proativas volta e meia acabam se deixando abalar pela força de correnteza, mas elas sempre reajustam seus cursos para se redirecionarem a seus objetivos, objetivos que, no fim das contas, serão obtidos através de seus próprios esforços.

É claro que todos têm em si uma mistura de proatividade e reatividade. Exemplos puros dos dois extremos são raros. Você pode se descobrir superproativo em uma área e deixar sua vida ser guiada inconscientemente no piloto automático em outras. Então, dedique um tempo para usar seus dotes humanos de autoconsciência, autoconhecimento, imaginação criativa e livre arbítrio para iluminar essas áreas negligenciadas de sua vida e optar, com consciência, por fazer as coisas irem pra frente. Se você não gosta de para onde a correnteza o está levando, então mude o curso. Não espere uma oportunidade surgir; crie a sua própria. As pessoas reativas da sua vida vão dar pitis toda vez que você fizer isso, deixe-as agir assim e exercite seu livre arbítrio mesmo assim. Mesmo que todas as pessoas à sua volta pareçam reativas, você pode ser proativo. Inicialmente, você vai se sentir como se estivesse remando contra a maré, mas se a correnteza da sua vida estiver guiando você na direção errada mesmo, remar contra a maré é uma coisa boa.

Apesar de “seguir o fluxo” ser geralmente considerado uma atitude esperta, o nível de sabedoria desse conselho depende de para onde o fluxo está seguindo. Por exemplo: seguir o fluxo de sua condição de saúde atual pode significar ficar acima do peso ou obeso, viver uma vida sedentária e sem exercícios físicos e daí morrer de ataque cardíaco ou câncer. Seguir o fluxo financeiramente pode significar se afundar gradativamente em dívidas e então morrer falido. Seguir o fluxo de nossos casamentos pode significar se divorciar. Seguir o fluxo de nossas práticas educacionais pode significar nunca mais ler outra obra literária depois de acabar o Ensino Médio.

Se você quer viver uma vida extraordinária, você geralmente precisará nadar contra a maré que todo mundo parece estar seguindo. Você pode optar por não ser mais um em bilhões. De certo modo, você estará mudando para ser guiado pelo fluxo de sua autoconsciência e de seu autoconhecimento. Você entra em sincronia com seu fluxo interno, ao invés de ser arrastado pelo fluxo de estímulos externos. É claro que você pode ganhar na loteria ou receber uma grande herança, mas provavelmente o fluxo não vai guiá-lo para a riqueza, ou saúde, ou satisfação. Você tem que escolher conscientemente essas coisas e, então, seguir em frente com comprometimento.

Para onde o fluxo da vida está levando você? Se você continuar seguindo o fluxo das correntezas da sua vida da forma como elas são agora, onde você vai parar? E o que você nunca vai vivenciar porque essas correntezas simplesmente não param em determinados destinos? Como você pode exercitar sua proatividade e seus dotes humanos para direcionar o curso da sua vida (independentemente das correntezas) de modo que você possa criar intencionalmente o tipo de vida que você quer ao invés de simplesmente seguir o fluxo?

A proatividade tem muitos nomes. Tony Robbins se refere a ela como “uso de seu Poder Pessoal”. Brian Tracy afirma: “Aqueles que não definem objetivos por si sós estarão sempre fadados a trabalhar para atingir os objetivos de outros”. Denis Wailey menciona vencedores fazem acontecer X perdedores deixam acontecer. Wayne Dyer refere-se aos proativos como “pessoas sem limite”. Roger Dawson os chamas de conquistadores. Barbara Marx Hubbard os rotula co-criadores. David Allen usa os termos “prontos para qualquer coisa” e “ter uma mente como a água”. As expressões exatas não importam. O que importa é tomar a decisão para começar a direcionar conscientemente sua própria vida, ao invés de se deixar levar pelas correntezas externas. Fonte:  http://www.excellencestudio.com.br

Recomende para os amigos…                            Voltar…

@… Não há sucesso sem obstáculos

 

Anúncios

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s